quarta-feira, novembro 09, 2016

ÁGUAS RASAS

ENCURRALADA

Depois que "Tubarão" fez o sucesso que fez, alguns filmes utilizaram o mesmo mote, sendo que poucos realmente são bons. 
Tirando do caminho o nonsense "Sharknado", ou mesmo o trash sem graça "Do Fundo do Mar",  destacaria duas produções pequenas que foram além da simples imitação do clássico de Steven Spielberg : "Mar Aberto" e "Perigo em Alto-Mar".
São duas pequenas joias que, se não são originais em sua estrutura, ao menos, inventivas no seu desenvolvimento.
"Águas Rasas" entra nesse seleto grupo e se não fosse o finalzinho feliz covarde, seria um dos melhores destaques dessa temporada.
Nancy (Blake Lively) chega à uma praia escondida no México que a principio parece um pedaço do céu. Paradisíaca e bucólica, ela logo se joga no mar e passa horas surfando.
Porém, um tubarão enorme a ataca, e encurralada, encontra abrigo numas rochas formada por corais que logo mais a maré alta vai encobrir.
O que fazer diante da situação?
Jaume Collet-Serra ( de "A Órfã") soube nos brindar com momentos de pura aflição (e de encanto também pelas lindos enquadramentos da paisagem) que a situação sugere,  extraindo desdobramentos cada vez mais absurdos mas que soam plausíveis pela atuação de Blake e a objetividade na direção de Jaume.
É aquela velha máxima dos bons suspenses, poucos personagens em circunstancias extremamente angustiantes.
"Águas Rasas" só não alcança voo mais alto (ou águas mais profundas) pelo final piegas e fora de tom. Nos dois filmes citados, seus desfechos são impactantes, assim como toda a produção. Do jeito que termina, fica realmente raso.
Mas até lá as unhas da mão e do pé foram obrigatoriamente roídas.
 NOTA ____8,0
Compartilhar:

0 comentários:

Blogs Brasil

Postagens populares

Total de visualizações

Google+ Badge

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog

Seguidores