quinta-feira, abril 26, 2012

JOGOS VORAZES

 JOGO DE VIDA E MORTE


Há uma preguiça intelectual em torno de algumas pessoas em taxar certos filmes. Veja por exemplo a divulgação de “Jogos Vorazes” teimando em associar as franquias infanto-juvenis “Crepúsculo” e “Harry Potter”.

Tirando o fato de serem “destinadas” aos adolescentes e de serem baseadas em Best-sellers , a trama pouquíssimo lembra as cines séries citadas acima.

Talvez seja o desespero dos produtores em emplacar outra mina de ouro nos cinemas, já que tanto “Harry Potter” e, sobretudo “Crepúsculo” arrecadaram fortunas e mais fortunas mundo afora.

Esse desespero nada disfarçado causou grandes equívocos, houveram produções que falharam miseravelmente com essa mesma pretensão e amargaram no esquecimento e obtiveram o desprezo do público e da mídia especializada (basta lembrar de “Percy Jackson” ou “Eragon” e calculam o tamanho do estrago).

“Jogos Vorazes” tem sim um grande potencial pra se firmar como a sensação da vez e garante o interesse a ponto de você querer saber mais sobre aquele universo ( as continuações “Em Chamas” e “A Esperança” estão confirmadas segundo os produtores).

Outro ponto a favor é a atuação da excelente Jennifer Lawrence (a jovem Mística em “X-Men: Primeira Classe”) que consegue transmitir com poucos gestos emoções intensas.
Se o filme o mantém grudado na poltrona até o fim, é muito por causa também dela.

Ela interpreta Katniss , que se oferece no lugar da irmã a participar do torneio. Ela representa o paupérrimo Distrito 12, e juntamente com outro jovem Peeta (Josh Hutcherson) vão enfrentar outros adolescentes até a morte. No final haverá apenas um sobrevivente.
“Jogos Vorazes” inevitavelmente lembra muita coisa. De imediato vem a cabeça aquele filme japonês “Batalha Real” realizado por Kinji Fukasaku.
Ou então aquele clássico dos anos 80 estrelado por Schwarzenegger “O Sobrevivente”.

Ou então vou além, dá pra sacar também as inspirações literárias de “1984” de George Orwell , ou “Admirável Mundo Novo” de Huxley.

O fato é que nas vésperas dos jogos começarem,  o filme é perfeito ( nunca fiquei tão ansioso e nervoso tão quanto a protagonista) mas decepciona totalmente quando o bicho começa a pegar (o sangue é escasso, a câmera sempre evita momentos fortes e o clímax é chocho demais).

Em outras palavras é muita promessa e clima de suspense pra pouca ação depois.
Dá pra notar que o diretor poderia ir muito mais além e nos mostrar uma verdadeira carnificina e conflito de verdade (talvez o medo de afugentar o público-alvo desencorajou ).

Mas sinceramente, achei mil vezes melhor que as patetadas da série “Crepúsculo” ou os dois terríveis primeiros capítulos da série “Harry Potter”.
Os erros de “Jogos Vorazes” não chegam a atrapalhar e de lambuja trazem questionamentos importantes e nuances insuspeitos que sinceramente não esperava nesse tipo de produção.

Compartilhar:

2 comentários:

Fernanda Moraes disse...

eee Primeiro!! \o/

Jogos Vorazes ciumpre bem sua função de filme pipoca e, apesar desses momentos tristes, não atrapalham a diversão garantindo a vontade de ver o próximo.

E que venha Em Chamas!

M. Seiler disse...

kkkkkkk falou e disse fe

Blogs Brasil

Postagens populares

Total de visualizações

Google+ Badge

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog

Seguidores